História da FMUL

 
 

Séculos XIII / XIV

O rei D. Dinis manifestou-se favorável à criação, no ano de 1288, do Estudo Geral de Lisboa. O Papa Nicolau IV, por bula de 9 de Agosto de 1290 (data que consta para referência da sua fundação), confirmou-lhe o estatuto de Universidade, em cujas matérias se incluía a Medicina (então com a designação de Física).

Em Lisboa, o Estudo Geral funcionou inicialmente no bairro de Alfama (no então designado Campo da Pedreira) e depois na Sé, em espaços sempre precários, cedidos ou arrendados com a frequente intervenção e apoio da família real.

Séculos XV / XVI

Somente em 1431 teve a Universidade instalações próprias em Lisboa, em casas de dois andares situadas na freguesia de S. Tomé, que haviam sido doadas e remodeladas por intervenção e a expensas do Infante D. Henrique.

No reinado de D. Manuel l as condições melhoraram substancialmente, com a transferência da instituição para propriedades que haviam sido o Paço do Infante D. Henrique, junto à Igreja de Santa Marinha.

Hospital Real de Todos-os-Santos

O ensino e a prática da Medicina foram modificadas radicalmente com a fundação, por D. João II em 1492, do Hospital Real de Todos-os-Santos, em Lisboa. Alguns anos mais tarde, cerca de 1504, D. Manuel I, numa medida pioneira e de grande visão estratégica, determinou que a cirurgia fizesse parte da matriz da formação médica na Universidade, sendo o seu ensino realizado naquele Hospital. Este Hospital localizava-se na antiga Praça da Figueira, com a fachada orientada para o Rossio, sendo um edifício majestoso para a época.

hospSaoJose.png

 

Séculos XVII / XVIII

O edifício foi destruído por dois incêndios (1610 e 1750) e sucessivamente reconstruído, desaparecendo definitivamente no terramoto de 1755.

O Marquês de Pombal instalou o Hospital Real e Nacional de S. José (por reinar D. José I) em 1770, em substituição do destruído Hospital Real de Todos os Santos.

Século XIX

É criada a Real Escola de Cirurgia de Lisboa, com atribuições específicas de ensino médico.

A Escola Médico-Cirúrgica – 1836

Aquela Instituição toma a designação de Escola Médico-Cirúrgica de Lisboa, sendo o ensino clínico principalmente leccionado no Hospital de S. José.

Século XX

Em 1906 é inaugurado o edifício da Escola Médico-Cirúrgica de Lisboa, no campo de Santana. O ensino clínico continua a ser leccionado na enfermaria de Santa Bárbara e Santa Maria Ana, do Hospital de São José.

Lisboa recebe em 1906 o XV Congresso Internacional de Medicina, que se tornou um êxito, como realização internacional e com consequências locais incalculáveis. A Escola Médico-Cirúrgica recebeu 2 000 congressistas, de 27 países de todas as partes do mundo, com 134 temas de estudo e cerca de 500 comunicações livres

CongressoMedicina.png

Este notável programa científico abriu horizontes aos jovens e lançou-lhes o fogo nas almas. Este evento, conjugado com os novos avanços da Medicina Científica foram sem dúvida, factores de extrema importância para a formação de uma talentosa geração que estava a despontar no ensino médico em Lisboa, e que viria a ser designada por Geração Médica de 1911.

 

1910/1911

Com a implantação da República, o Governo transforma a Escola Médico-Cirúrgica em Faculdade de Medicina de Lisboa, sendo a maior parte do ensino clínico transferido para o Hospital (Escolar) de Santa Marta. Com o alargamento do programa curricular, os dois edifícios tornam-se insuficientes para o ensino.

Este passou a ser complementado em diversas instituições e serviços, na generalidade situados nas proximidades do Campo de Santana (Instituto Bacteriológico Câmara Pestana, Instituto Oftalmológico Gama Pinto, Instituto de Higiene e de Medicina Legal, Hospital D. Estefânia, Hospital do Rilhafoles) ou mais distanciados (Hospital do Rego, Faculdade de Ciências).

 

1933

É iniciada a planificação de um edifício comum para instalação do Hospital Escolar e da Faculdade de Medicina de Lisboa.


1939

O Governo aprova o projecto do novo edifício.


1944

É iniciada a construção do edifício, sob responsabilidade da Comissão Administrativa dos Novos Edifícios Universitários.

É iniciada a planificação de um edifício comum para instalação do Hospital Escolar e da Faculdade de Medicina de Lisboa. – O Governo aprova o projecto do novo edifício.

É iniciada a construção do edifício, sob responsabilidade da Comissão Administrativa dos Novos Edifícios Universitários.


1949

O Professor Egas Moniz recebe ao Prémio Nobel em Medicina e Fisiologia pela “descoberta do valor terapêutico da leucotomia em certas psicoses”.


1952

O Hospital Escolar transita do Ministério da Educação para o Ministério do Interior sendo integrado nos Hospitais Civis de Lisboa. Desta medida resulta que o ensino médico passa a depender de duas tutelas; Ministério da Educação e Ministério do Interior (ou dos Assuntos Sociais ou, finalmente, da Saúde).


1997

O Ministério da Educação aprova o projecto do novo edifício e autoriza a abertura do concurso público internacional para a respectiva construção, a concluir num prazo não inferior a três anos.

Entretanto, há grandes constrangimentos em espaços físicos para ensino e apoio pedagógico-científico, o que impede o normal desenvolvimento do novo programa curricular e das metodologias de ensino que Ihe dão suporte.


2000

É iniciado o 6.º ano do novo plano curricular, que decorre como estágio clínico orientado e programado em unidades hospitalares e centros de saúde do sistema nacional de saúde. Além do Hospital de Santa Maria, que continua a ser o Hospital nuclear, colaboram naquele estágio clínico, como locais de formação nas valências obrigatórias ou optativas, 10 Hospitais e 45 Centros de Saúde da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo, do Alentejo e do Algarve.


Século XXI

Em 2001 é aprovado pelo Governo (Ministérios da Educação, da Saúde e da Ciência e Tecnologia) o Programa de Desenvolvimento da FML para 2001-2006, que inclui dois novos edifícios, re-apetrechamento e obras de beneficiação nos serviços que permanecem no edifício hospitalar.

É aprovada pelo Ministério da Ciência e Tecnologia a criação de um Laboratório Associado da FML, designado Instituto de Medicina Molecular (IMM), que engloba seis dos Centros de Investigação Científica que, por avaliação externa, haviam obtido a classificação de excelente ou muito bom.


2002

É concluída a construção do novo edifício pertencente à Faculdade de Medicina de Lisboa, e tem início o concurso público para a instalação do mobiliário e equipamento.


2003

É iniciado o projecto para a construção de um segundo edifício, no âmbito de Programa de Desenvolvimento da FML, para a reinstalação de um núcleo funcional do Instituto Bacteriológico Câmara Pestana.


2003 a 2004

Decorrem os processos de elaboração de propostas técnicas e de concursos para a dotação do novo edifício.


2004

Em finais de Abril de 2004, começa a mudança de unidades estruturais e grupos de trabalho que ficam instalados no novo edifício.

Em 24 de Abril decorre a visita inaugural com a presença do Primeiro Ministro, Ministra da Ciência e do Ensino Superior e do Reitor da Universidade de Lisboa. É assinado o Contrato Programa de Desenvolvimento.

A nova construção da FML passa a ser designada edifício “Egas Moniz”.

De 8 a 11 de Setembro, tem lugar nas novas instalações da FML o 23.º Congresso Europeu de Microcirculação.

O edifício é integralmente activado para o ensino e investigação a partir de Setembro de 2004.

medicina_slider_ex1.png

 

 

 
 
 
 
 Escola Médico-Cirúrgica 

Escola Médico-Cirúrgica 

 Edifício Instituto Bacteriológico Câmara Pestana 

Edifício Instituto Bacteriológico Câmara Pestana 

 
 Construção do Hospital de St. Maria 

Construção do Hospital de St. Maria 

 
 1953 - Inauguração Hospital de St. Maria

1953 - Inauguração Hospital de St. Maria

 Estudantes reunidos na FMUL

Estudantes reunidos na FMUL